O que aprendemos ao remodelar uma casa – parte 2

Se estão prestes a remodelar uma casa, não subestimem a canseira que é, sobretudo quando nós próprios também pomos mãos à obra. No meu caso, o projecto de remodelação não levou nem meio ano (a casa é pequena e estava em boas condições), mas vivi alguns meses um pouco stressantes e de muita ansiedade. Foram muitas decisões para tomar, um orçamento para gerir, algumas tarefas de remodelação a nosso cargo e uma data-limite que queríamos muito respeitar.

Se não viram a parte 1 desta série de posts, espreitem aqui:
‘O que aprendemos ao remodelar uma casa – parte 1’.

Apesar de tudo, é incrível quando chegamos ao fim e vemos que todos os obstáculos foram ultrapassados com sucesso, e que o resultado está à vista. Esta é uma das razões por que adoro remodelações: poder comparar o antes e o depois é a nossa recompensa.

Se as remodelações também vos entusiasmam e querem saber mais sobre este assunto, fiquem a conhecer mais um pouco sobre o que remodelar uma casa me ensinou 😀

5) As opiniões vão divergir

É normal, numa relação, haver opiniões opostas e, quando se trata de um projecto de vida, há que saber gerir ainda melhor essas divergências. Supondo que a remodelação da casa é feita em casal, vale a pena sublinhar que vão haver momentos em que as opiniões são tão diferentes (sobretudo se ambos insistirem muito nas suas ideias), e está a ser tão difícil chegar a um consenso, que parece mais fácil desistir. Nada disso! A solução é ser flexível e, em alguns casos, dar o braço a torcer e optar por algo que não estava inicialmente nos planos. O importante é que o resultado agrade aos dois (ou, pelo menos, que não desagrade a nenhum).

o-que-remodelar-uma-casa-me-ensinou-parte-5

6) Vão achar que estão a ser roubados

Não consigo dizer quantas vezes que isto me passou pela cabeça, foram muitas! Ao início, e sobretudo para quem não percebe muito do assunto, parece que é só assentar uns tijolos aqui, abrir umas paredes ali, montar uns canos, fazer ligações eléctricas algures… depois começamos a ter noção da realidade: os materiais são caros, surgem imprevistos que custam mais dinheiro, o pagamento é feito semanalmente ou à hora, a mão-de-obra não é propriamente barata, etc, etc, etc. Por esta razão, vale a pena pensar no que pode ser feito por vocês mesmos (ponto 8) e, se possível, pedir ajuda a familiares que estejam à vontade com este tipo de tarefas.

7) Não deixem muito por fazer

Durante a remodelação de uma casa há alguns “pormenores” que vão sendo deixados para mais tarde… e acabam por não ter fim à vista. No nosso caso foi o rodapé da sala e da cozinha que demorou 2 anos a aparecer (somente por culpa nossa) e, até há pouco tempo, as portas e as ombreiras que gritavam por uma lixa e verniz. São o tipo de coisa sem a qual dá para viver, mas que ainda assim têm a sua importância na casa e que, se fossem feitas na altura das remodelações, dariam muito menos trabalho!

8) Há coisas que podem ser feitas por nós mesmos

Pensem naquilo em que se sentem à vontade a fazer e experimentem! Pintar paredes, montar móveis e instalar pavimento flutuante são algumas tarefas simples que podem ser feitas por nós mesmos, de forma a poupar dinheiro nos serviços e/ou profissionais (alguns vídeos no Youtube podem ajudar). No meu caso, foi útil termos reservado dias de férias do trabalho para tratar das tarefas referidas e, apesar das inseguranças, acho que fizemos um bom trabalho – se daqui a uns anos acharmos que não, pelo menos iremos reconhecer que nos esforçámos!

Se quiserem continuar a acompanhar este post, sigam para o post
‘O que aprendemos ao remodelar uma casa – parte 3’.