O que aprendemos ao remodelar uma casa – parte 1

Remodelar uma casa antiga era algo que estava nos nossos planos enquanto casal. Quando surgiu a oportunidade, apressámo-nos em tornar real esse objectivo para finalmente ter um espaço ao qual pudéssemos chamar de nosso, totalmente ao nosso agrado e, claro, deixar de pagar a renda do apartamento em que estávamos.

Tendo em conta que se tratava de uma casa com pouco mais de 40 anos, com boas estruturas e pronta a habitar, numa primeira fase as obras duraram apenas dois meses e consistiram em remodelar o interior. Olhando para trás não podemos ignorar o que aprendemos com esta experiência e, para quem estiver a pensar um dia fazer o mesmo, ou apenas para quem tem curiosidade em saber um pouco mais, partilho-a convosco neste post e nos próximos dois!

1) O programa “Querido, Mudei a Casa!” é uma ilusão

Bem, este tinha de ser o primeiro ponto porque, com esta experiência, percebi o quanto o programa nos vende sonhos! A questão é que é praticamente impossível remodelar uma divisão em apenas alguns dias e fazer, ao mesmo tempo, um trabalho perfeito. Sim, no programa o resultado final parece saído de um catálogo de decoração, mas e o resto? Quando eles remodelam sobretudo cozinhas e casas-de-banho, se estivermos atentos conseguimos perceber que alguns acabamentos foram feitos “às três pancadas” e muitas questões técnicas (como ligações elétricas e etc) com certeza não foram assim tão bem estudadas.

2) Remodelar uma casa não é só decorar

Nos programas de TV que documentam remodelações de casas a parte mais esperada é a do resultado final, que enfatiza sempre a decoração e os ambientes criados. Mas, sabem que mais? A decoração é mesmo a parte menos importante. Assumo isso como fã de decoração que sou e que, durante a remodelação da nossa casa, só queria que as obras acabassem para finalmente começar pôr as coisas ao meu gosto! Agora entendo como é importante o planeamento, cumprir as tarefas pacientemente para conseguir bons resultados, sobretudo no que se refere à construção e acabamentos: não vale de muito ter um casa de banho bem decorada se os azulejos ficaram tortos, o betume nas juntas foi mal aplicado e sujou os azulejos, as imperfeições das paredes não foram corrigidas, o silicone foi mal aplicado… é praticamente como estar bem vestida mas cheia de nódoas.

3) Muitas das ideias no Pinterest são “restritas”

Mais uma desilusão para quem passa a vida a adicionar ideias de decorações incríveis ao álbum “Futura Casa” #culpada

Quando sonhava sem limites com o ambiente que queria criar para cada uma das divisões da nossa casa – digo “sem limites” porque não tinha noção do quanto essas ideias poderiam custar – tudo parecia muito fácil: ir a um sítio, procurar o que tinha em mente e colocar em prática em casa. Mas, para que tenham uma noção, um lindo chão como este é capaz de custar algumas cenas de Euros não só pela mão de obra mas sobretudo pelas pedrinhas (pastilhas de vidro) entre os mosaicos.

4) É preferível pagar mais e ter melhor

Este ponto parece contrariar o anterior mas, neste caso, estou a falar do que vai para além da questão estética.

o-que-remodelar-uma-casa-me-ensinou-parte-6

Quando publiquei a fotografia acima nas redes sociais, muitas pessoas se manifestaram a favor da porta antiga (à esquerda), dizendo que é mais interessante e que bastava uma pintura para não termos de comprar uma nova. Sim, aproveitar a porta antiga iria ficar-nos mais barato, mas neste caso fizemos uma escolha que iria compensar a longo prazo: a porta nova, além de ser isolante e combinar com as janelas (também elas novas e isolantes), é mais segura.

Da mesma forma optámos por contratar um pedreiro em vez de nos arriscarmos a fazer coisas sobre as quais não percebemos muito. Ainda assim podia ter corrido mal, pois tínhamos duas opções: um pedreiro que cobra razoavelmente pouco, mas faz as coisas a correr; e um outro que cobra mais, mas faz tudo ao detalhe. Sabendo que, por norma, os pedreiros recebem à semana e em função das horas que trabalham, vale a pena reflectir na decisão. Decidimos optar pelo segundo e, apesar de nos ter custado desembolsar tanto, sabemos agora que valeu a pena porque o trabalho dele ficou impecável.

Se quiserem continuar a acompanhar este post, sigam para o post:
‘O que aprendemos ao remodelar uma casa – parte 2’.